Amiga, me desculpa, eu não sabia

O casamento da minha amiga. Uma casa cheia de amigos pra comemorar! 1 ano e 4 meses do primeiro filho de uma das minhas amigas. A segunda a ter filho em uma casa cheia de adultos curtindo a vida sem filhos e sem saber o que era ter um filho. Festa, bebida, pizzada, violão, churrasco, casamento, dança! Minha amiga tinha um filho de 1 ano e 4 meses. Ela estava lá, dando pé, feliz por estar em um momento tão especial com a gente, mas hoje eu sei que a banda que tocava pra ela não era a mesma que tocava pra gente. Eu lembro de vê-la no pé da cama chorando de exaustão. Morro de arrependimento de não a ter acolhido como ela precisava e merecia, mas eu me perdoo, eu não tinha a menor ideia da profundeza dos sentimentos dela. Eu não tinha a menor ideia. 

Éramos madrinhas, todas foram se arrumar juntas no local do casamento, mas como fazer isso com um bebê, né? Ela ia depois, decidi que iria depois com ela. A casa vazia, ela disse que estava mal porque estava com o rosto muito abatido de cansaço, lemos na internet que enfiar a cara numa bacia de água gelada com gelo ajudava. Enchemos duas. Enfiamos a cara. Por que eu enfiei também? Não sei, definitivamente eu não estava cansada como ela. Ela vestiu a roupa igual a de todas as madrinhas, o sorriso mais bonito e foi com a gente.

Posou pra fotos, dançou horrores e mais tarde chorou de novo, mas de emoção, de alívio, de gratidão… não sei, mas era um choro bonito. O filho dela tava no meio de uma roda de amigos, a gente cantava e dançava Beatles e o filho dela também. Os afetos dela em volta daquele pingo de gente que tinha acabado de aprender a andar jogando uma enxurrada de amor. Todo mundo ria praquele serzinho pequeno, ela chorava e sorria ao mesmo tempo. Eu hoje acho que entendo que era um choro de orgulho dele, sim, por já ser uma pessoa sociável que participa dos momentos, mas orgulho também da própria jornada.

Ela estava ali, mesmo querendo deitar por 5 dias sem interrupção. Ela tava na festa e tinha que pensar na soneca dele, na alimentação, na hora de ir pra casa, no calor, na fralda… onde eu tava quando ela precisava equilibrar esses pratos todos? Dançando com um copo de bebida na mão, talvez cantando Hey Jude? 

O casamento acabou cedo, a noite foi de pizza, cantoria e madrugada adentro. EU SEI que ela precisava de todo e qualquer minuto de sono, mas ela colocou o filho pra dormir e foi ao nosso encontro. Ela também precisava de si mesma, precisava pertencer. Quanto tempo minha amiga se sentiu deslocada, inapropriada ou desajustada quando olhava nossa vida social com um bebê nos braços? Sempre fui fã dessa minha amiga, hoje sou ainda mais, que bonito foi presenciar aquela sede de viver, de se redescobrir, de ser mãe e ainda mulher. Amiga, me desculpa, eu não tinha a menor ideia das profundezas daqueles seus sentimentos. Me orgulho muito de você, você me inspira a ser uma mãe melhor e uma mulher mais dona de mim.

(sobre ela, no dia do casamento dela)

2 comentários sobre “Amiga, me desculpa, eu não sabia

  1. Fernanda Caram disse:

    Que profundo.
    Obrigada por esse texto Hari.
    Hoje sou mãe e meu campo de visão também se expandiu e percebi o quanto fui rasa em tantas situações como essas ♥️

    Poxa, obrigada ☺️

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s